Prédios de Brasília são esvaziados após tremor de terra

segunda-feira, 2 de abril de 2018


No Setor Comercial Sul (SCS), foram sentidos três abalos pequenos e um maior, que durou mais de 5 segundos.



A região central de Brasília, no Distrito Federal, foi atingida por um tremor de terra no final da manhã desta segunda-feira (02). De acordo com o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), o tremor foi reflexo de um terremoto de magnitude 6.8 que atingiu a Bolívia.



No Setor Comercial Sul (SCS), foram sentidos três abalos pequenos e um maior, que durou mais de 5 segundos. Prédios comerciais e de órgãos como da Terracap, Ministério da Justiça e da Secretaria de Segurança Pública (SSP) foram esvaziados.


O tremor também foi sentido por pessoas que estavam no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), no Aeroporto Juscelino Kubitschek, no Setor de Rádio e TV Norte (SRTV) e em Taguatinga Norte.


A Defesa Civil do Distrito Federal informou que recebeu inúmeras chamadas relativas aos tremores e enviou equipes para auxiliar o Corpo de Bombeiros nas ações de evacuação de edifícios. A principal região afetada, segundo a pasta, foi o Setor Comercial Sul, que registrou o maior número de ocorrências.


"Queremos tranquilizar a população pois não há risco dos prédios caírem. Estamos vistoriando as regiões e não identificamos problemas nas estruturas", informou o coronel da Defesa Civil, Sérgio Bezerra. Além da capital federal, outros Estados como São Paulo e Rio Grande do Sul e Paraná registraram os tremores.



Terremoto na Bolívia 


O abalo sentido nas regiões do Brasil é um reflexo de um terremoto de magnitude 6,8 na escala Richter que atingiu a Bolívia, segundo o observatório sismológico da Universidade de Brasília (UnB). No país vizinho, houve alerta de tsunami. "Tremor na Bolívia 6.8 magnitude, foi sentido em Brasília e também provavelmente em São Paulo. Profundidade de 548", informou o observatório em suas redes sociais.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial


ÚLTIMAS BOMBAS



     
    Copyright © 2015. Jornal Brasil 316 .
    .